sexta-feira, setembro 21, 2007

Livros de Serviço Social do CPIHTS na Feira do Livro de Amadora



Nos Pavihões da Livraria Letra Livre
Serão expostos Para Venda Promocional
os livros de Serviço Social do CPIHTS
Visita !!

Estudantes de Serviço Social Desmotivados



Quinta, 20 Setembro 2007
Os cerca de 100 alunos que ainda frequentam o segundo e terceiro ano da licenciatura em Serviço Social, no pólo da UTAD em Miranda do Douro, dizem-se este ano, “desmotivados” e sem qualquer espírito académico. O pólo não recebeu este ano novos estudantes, uma vez que o curso já foi transferido para Vila Real, onde entraram 60 caloiros. “A UTAD conseguiu o que queria, acabou com o espírito académico e com o entusiasmo daqueles que ainda estudam em Miranda do Douro, desabafa Jorge Pereira, representante dos estudantes.
Alias, esta realidade, e a evidente diferença nas condições de ensino em Miranda e em Vila Real, leva os alunos do Pólo a reclamar discriminação positiva em relação ás propinas. “Não faz sentido que tenhamos de pagar propinas do mesmo valor daquelas que pagam os nossos colegas de Vila Real, uma vez que temos menos condições”, reclama.
O valor da propina é de 920 euros. Recordamos que foi criada uma comissão que vai estudar a viabilidade do pólo da UTAD em Miranda no próximo ano, por enquanto ficou decidido que o segundo e terceiro ano, continuam a ser leccionados em Miranda enquanto que os caloiros de Serviço Social vão ficar em Vila Real.

Serviço Social Cress Disputará Vagas no Conselho de Habitação


Cress SP Disputará vagas no Conselho de Habitaçăo




Em 28 de setembro, o Conselho Municipal de Habitação de SP realizará eleição para escolher os representantes da sociedade civil que comporão o órgão (biênio 2007/2009). O Cress SP concorrerá à vaga, com Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz (titular) e Mauricléia Soares dos Santos (suplente).
“A participação de todos é fundamental. Nós, assistentes sociais, defendemos, em nosso projeto ético-político, o direito à cidade. Lutamos ainda pela liberdade, justiça social e pela riqueza socialmente distribuída. Porém, essa discussão se opõe claramente à perspectiva do mercado imobiliário. A nossa defesa é para que ocupemos um assento no Conselho para lutar, de forma conjunta com os movimentos sociais, pela garantia dos direitos sociais e, principalmente do acesso a uma moradia digna”, declara Tania Diniz.
Atenção: poderão votar todos os assistentes sociais, regularmente inscritos no Cress SP, mediante apresentação da carteira do Cress, cédula profissional ou documento com foto.
Na primeira etapa do pleito, em 23/09, os representantes dos movimentos populares e entidades comunitárias serão escolhidos, em votação aberta a toda a população. No site da Prefeitura de São Paulo encontra-se disponível a lista de candidatos e os locais de votação (clique aqui). Atenção: é necessária a apresentação do título de eleitor!
Serviço
Data: 23/09/2007 – eleição dos representantes dos movimentos populares e entidades comunitáriasHorário: das 8h às 17hLocal: praças de atendimento das subprefeituras
Data: 28 de setembro de 2007 – eleição dos representantes da sociedade civilHorário: das 9h às 17hLocal: Espaço de atendimento da COHABEndereço: Rua Boa Vista, nº 128, Centro.
Seja você também um eleitor. Participe!

quarta-feira, setembro 19, 2007

Serviço Social Prisões Trabalho de Curso

A Agua é do Povo !!! Crónicas da Radio Pax

A água é do povo!


Assisti ontem a um debate sobre os sistemas de abastecimento de água em alta, uma iniciativa da Câmara Municipal de Castro Verde que saúdo, com alguns senãos. O primeiro foi a hora escolhida: 3 da tarde de segunda-feira, o que afasta irremediavelmente a esmagadora maioria dos munícipes. Foi dito que o objectivo fundamental era o esclarecimento dos “decisores”, isto é, dos autarcas – o que constitui desde logo uma grave limitação, em matéria de tamanho interesse público.

Depois foi o formato adoptado: não propriamente um debate, antes uma palestra para ouvir os três oradores convidados: Francisco Manuel Pinto, representante da Audiplano; Marques Ferreira, ex-presidente da EDIA, agora em representação das Águas de Portugal; e Manuel Camacho, presidente da AMALGA – Associação de Municípios Alentejanos para a gestão do Ambiente – que integra nove municípios do Distrito de Beja e cuja candidatura ao sistema intermunicipal de abastecimento de água em alta foi chumbada em Bruxelas, no início de 2007.

Após a introdução, a cargo do presidente da CM de Castro Verde, Fernando Caeiros, os três ilustres palestrantes falaram durante cerca de três horas para uma audiência de 50 a 60 pessoas, em grande maioria autarcas dos diversos municípios envolvidos. Quando o debate se generalizou, a partir das 6 e meia da tarde, a plateia já estaria reduzida a metade, tendo os últimos resistentes aguentado até perto das 8 da noite. Até pela importância do tema, este é um formato totalmente desadequado para quem esteja interessado em fomentar a participação cidadã.

Sem a pretensão de fazer aqui o resumo de tanta oratória e, menos ainda, dos pormenores técnicos em que se perdeu demasiado tempo, destaco o sumo político das intervenções. Marques Ferreira salientou o domínio que as Águas de Portugal já têm sobre os sistemas de abastecimento em alta e saneamento de 205 municípios portugueses. Este monopólio, participado pela Direcção Geral do Tesouro e pela CGD, actua ao mesmo tempo como parceiro e árbitro, com todas as armas de sedução sobre os pequenos municípios, a quem pode ditar as regras do jogo. E gaba-se ainda de ser 100% público – por enquanto: Marques Ferreira só não conseguiu explicar a próxima entrada das Águas de Portugal na bolsa e a óbvia abertura aos capitais privados: as transnacionais disputam este sector, hoje em dia mais lucrativo do que o petróleo.

A Manuel Camacho coube o papel ingrato de justificar o insucesso da candidatura da AMALGA em Bruxelas e de tentar suster a deserção de mais municípios do sistema intermunicipal: Mértola e Ourique já estão a negociar com as Águas de Portugal; Almodôvar, Castro Verde e Barrancos hesitam mas exigem uma solução rápida, “no prazo máximo de um ou dois meses”, como frisou Fernando Caeiros. Ora a nova candidatura intermunicipal e o concurso público internacional para escolher um parceiro privado são coisa para muitos meses, sem sequer ter garantido financiamento comunitário. O tempo joga contra este projecto, demonstrando a inutilidade da cedência de 49% do capital das águas do Alentejo Sul a uma qualquer multinacional, em violação clara dos princípios de defesa da água pública e até da propaganda do partido maioritário na AMALGA, o PCP.

No final da palestra, no seguimento dos apelos de vários autarcas e das declarações de abertura ao diálogo por parte de Manuel Camacho e Marques Ferreira, ficou a pairar um possível acordo para-social entre a AMALGA e as Águas de Portugal, em torno de “uma solução técnica aceitável por ambas as partes”. Só que o problema essencial da gestão da água não é técnico mas sim político, como frisou Constantino Piçarra, do BE, e também o deputado do PCP, José Soeiro. O pragmatismo e a “pressa de encontrar uma solução” põem em causa a decisão democrática das populações que não foram ouvidas nem achadas, na última campanha eleitoral, sobre a questão da água.

Qualquer que seja o “cozinhado” a sair de eventuais negociações entre a AMALGA e as Águas de Portugal, é iminente o perigo de privatização da água – para já a distribuição em alta; amanhã, perante o aperto financeiro das autarquias, a distribuição em baixa, isto é, até às nossas torneiras, como já prevêem os estatutos das águas do Alentejo Sul. Depois de anos e anos de negociações de gabinete, é urgente dar a palavra aos cidadãos: poucas matérias justificam tanto um referendo local, pois a água é mesmo uma questão de vida ou de morte. E o título desta crónica não deriva de um súbito revivalismo do PREC. É hoje muito claro que só o povo pode defender a água pública.

Alberto Matos – Crónica semanal na Rádio Pax – 18/09/2007

terça-feira, setembro 18, 2007

Câmara Municipal de Amarante Organiza Jornadas Litorais de Gerontologia

JORNADAS LITORAIS DE GERONTOLOGIA

Câmara Municipal de Amarante
Vai realizar-se no Auditório Nobre da Câmara Municipal de Amarante, as JORNADAS LITORAIS DE GERONTOLOGIA: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento, nos dias 26 e 27 de Setembro de 2007 (quarta e quinta-feira).Convidamo-lo a participar neste evento, anexamos para o efeito o Programa/Ficha de Inscrição, onde encontrará as condições e preços de participação.
Aproveitamos para informar a possibilidade de apresentar um Poster ou Comunicação Livre, neste encontro científico.

INFORMAÇÕES/ RESERVAS INSCRIÇÕESTel. / Fax. 22 203 30 46 – Telm. 96 76 48 777 – 91 63 70 357 – 93 654 35 36E-mail: geral@cmstatus.org

Participação de Estudantes de Serviço Social em Festival de Músicas Inéditas

O III Prêmio Uece de Música tem início esta noite, prosseguindo até sexta-feira. Este ano, o festival de músicas inéditas é aberto à participação de universitários de todo o Estado.

Promovido pelo Curso de Música e pelo Núcleo de Políticas Culturais da Pró-Reitoria de Políticas Estudantis e Inclusão Social da Universidade Estadual do Ceará, o Prêmio Uece de Música chega à sua terceira edição tendo ampliado inscrições para alunos de qualquer universidade cearense. Este ano, o festival conta com três eliminatórias, esta noite, amanhã e quinta-feira, sempre a partir das 19h30, com entrada franca, no Auditório Central do Campus do Itaperi, onde acontece a grande final na sexta-feira.A Comissão Julgadora será formada por professores, músicos e jornalistas: Tarcísio Lima, Lucile Horn, Nelson Augusto, Dalwton Moura, Eduardo Fideles e Marcus Vinícius Cardoso. A organização está a cargo dos professores Heriberto Porto e Marcio Mattos. O festival distribuirá R$7.500,00 em prêmios. Mais informações pelo fone 3101-9760 . Confira as músicas classificadas:Vento da Aurora - (Lizita Nogueira - MÚSICA/UECE), Sopro (Adriano Caçula - MÚSICA/UECE), Em Bola - (Aléssia Queiroz - MEDICINA/UFC), Canto de Vida Mateira (Fernando Rosa - MÚSICA/UECE), Alameda - (Rafael da Costa - MÚSICA/UECE), Hein Zé - (Ângela Maria Gomes - FÍSICA/UECE), Cantando Histórias -(Clara Bezerra - MÚSICA/UECE), Verdade - (Marcos Robson SERVIÇO SOCIAL/UECE), Bucolismo - (Andréa Feitosa - EDUCAÇÃO MUSICAL/UFC), O Ás de Meus Pais - Pablo Pimentel- (CIENCIAS BIOLÓGICAS/UFC), Canção para João de Despedida - (Joana Angélica - MÚSICA/UECE), Aqui Agora - (Melissa Oliveira-LETRAS PORT./UECE), Simplesmente Tudo -(André Luís-HISTÓRIA/UECE), Harmoniosa Canção (Auzeneide Cândido-MÚSICA/UECE), Chuva Breve -(Robert Veras - PSICOLOGIA/UNIFOR), Voltar - (Claudio Correia-MÚSICA/UECE), Tempo pra Quê? - (Carlos Ricelly- GEOGRAFIA/FAFIDAM), Tempo e Solidão - (Francisco Régis e Wellington Galvão - GEOGRAFIA/UVA),Serrana - Carlos (Haroldo - ADMINISTRAÇÃO UVA), Os sons que a Vida Traz - (Davi Silvino - MÚSICA/UECE), Choro Cigano(Marcos Paulo Miranda e Leandro Oliveira - MÚSICA/UECE), O Parto -(Dalvi Vidal - MÚSICA/UECE), Brincar de Amor - (Kleber Meneses - FÍSICA/UECE), Olhos Loucos e Meu Coração... - (Luciana Lívia - MÚSICA/UECE)


Comente essa matériaNome: E-mail: Cidade: Telefone: Comentário: Ok
Indique essa matériaSeu Nome: Seu E-mail: Nome do seu amigo: E-mail do seu amigo: FecharEnviar

Serviço Social 18 de Setembro Chilenos Festejam


Estimados amigos:

Junto con desearles una feliz celebración de fiestas patrias a ustedes y sus familias, les envío el mensaje, escrito y en video, de la Presidenta de la República, Michelle Bachelet, que nos hace llegar para los compatriotas que nos encontramos viviendo en el exterior.
Chilenos
Esta es la segunda vez que tengo el agrado de dirigirme a ustedes con motivo de nuestras Fiestas Patrias. A lo largo de este año he tenido la oportunidad de visitar diversos países y en todos he sentido el cariño de mis compatriotas residentes.
Cada vez que visito una nación amiga, compruebo que la inserción internacional de Chile es algo real, que nuestro país es valorado no sólo por su estabilidad política y económica, sino también por el aporte cotidiano que realizan miles de chilenos en las naciones que los han acogido.
Como les manifesté el año pasado, ustedes son parte de la patria, de su cultura, testigos de sus dolores, logros y alegrías. Ustedes son un factor fundamental para que la identidad de Chile se expanda por todos los confines del planeta. Ustedes son un puente vivo entre un país que se abre al mundo y muchas comunidades que quieren vincularse con una nación ubicada al fin del extremo austral de América. Son nuestra avanzada, nuestra frontera más lejana, y los traductores más directos en un mundo en cambio.
También en mis viajes he recogido el persistente y justo reclamo de que se otorgue el derecho a voto a los chilenos y chilenas que viven en el exterior. Ese es un compromiso que estampé en mi programa de Gobierno, porque considero que los chilenos radicados en el extranjero, son tan ciudadanos de Chile como cualquier otro de los que viven en el territorio nacional, y esa sola condición los dota del derecho a votar. Me duelen las excusas que se esgrimen para rechazarlo, incluso por personas que dicen compartir el principio. Quienes están fuera de nuestra tierra, ansían mantener fuertes vínculos con la patria y nadie debiera obstaculizar el ejercicio de sus derechos ciudadanos.
Este año nos fue mal en la votación en el Congreso. Comprendo el malestar que ese rechazo produjo en las comunidades de chilenos en el exterior, pero eso no afecta mi decisión. Con el firme apoyo de la concertación, insistiré cuantas veces sea necesario para tratar de hacer realidad el derecho a voto de todos los chilenos, vivan donde vivan. No acepto que se considere que existen chilenos de segunda.
Chile está dando un salto cualitativo en su desarrollo, y los cambios siempre implican dificultades y desafíos. Tengo la convicción de que ustedes lo comprenden, pero no podemos detenernos. Hay un imperativo ético que nos empuja a seguir adelante y tenemos una base sólida para encarar los desafíos. Nuestra democracia es fuerte, a pesar de que aún tiene sedimentos que la enrarecen, como el sistema electoral binominal. Tenemos una economía que sigue creciendo, salarios y viviendas más dignas y estamos construyendo un sistema de protección social que cada día acoge a más chilenas y chilenos.
Es un esfuerzo que nos invita a soñar juntos en un Chile más integrado, más solidario, más igualitario. En ello estamos trabajando, empeñados en que todos los chilenos empujemos en la misma dirección, los de adentro y los de afuera, empeñados en incluir a los que corren el riesgo de quedarse atrás, para celebrar el Bicentenario llenos de orgullo patriótico.
En este ánimo e inspirados en los valores y las tradiciones más permanentes de nuestra patria, los invito a celebrar este 18 de Septiembre con alegría y esperanza, junto a sus familias y a otros compatriotas que se encuentran tan lejos, pero cuyo corazón siento tan cerca. Ya sé que en ustedes la distancia nunca ha vencido el amor que tienen por Chile.
Reciban un abrazo afectuoso en este mes, que es el mes de todos los chilenos y chilenas. ¡Viva Chile!
MICHELLE BACHELET