sábado, junho 11, 2011

Presidente do Cress Piaui Defende Principio da Laicidade e Manda Retirar Santinhos

A presidente do Conselho Regional de Serviço Social do Piauí, Maria José do Nascimento, determinou a retirada de todos os símbolos religiosos da sede da entidade. 

Segundo a presidente do Conselho, a iniciativa não tem intenção de afrontar crenças religiosas. “Essa medida se fazia necessária em virtude de o Estado brasileiro ter abraçado o princípio da laicidade: O que fizemos foi tão somente cumprir a Constituição Federal", explica Maria José. 
 
Primeira mulher negra a presidir o CRESS Piauí, Maria José do Nascimento tomou posse no último dia 14, assumindo, dentre outros compromissos, aproximar aquele Conselho dos movimentos Sociais. 

A decisão de retirar os símbolos religiosos da sede do CRESS deve agradar as entidades como o Matizes e Católicas pelo Direito de Decidir, que brigam na justiça para que imagens religiosas não sejam mais ostentadas em órgãos públicos.

segunda-feira, junho 06, 2011

domingo, junho 05, 2011

Europeus do Sul Também Trabalham Que se Fartam

Os europeus do Sul trabalham muito mais e por vezes durante mais tempo que os alemães, mostra um estudo.

"Os alemães trabalham muito menos [por ano e durante a vida activa] que os europeus do Sul. E também não trabalham de forma tão intensiva", assegura Patrick Artus, chefe da secção de economia do banco francês Natixis e o autor do estudo, baseado em dados da OCDE e do Eurostat, que contraria as recentes declarações da chanceler alemã sobre um eventual laxismo social em Portugal, Espanha ou Grécia.

A duração anual média do trabalho de um alemão (1.390 horas) é assim muito inferior à de um grego (2.119 horas), de um italiano (1.773 horas), de um português (1.719 horas), de um espanhol (1.654 horas) ou de um francês (1.554 horas), referem as estatísticas publicadas em 2010 pela OCDE.

"O resultado da produtividade individual da Alemanha está na média dos países do Sul, a da produtividade horária está acima da média mas não é melhor que a da França ou Grécia", precisa o Natixis.

A idade legal para a reforma na Alemanha (65 anos actualmente, 67 no futuro) é mais tardia, mas os portugueses e espanhóis trabalham na prática mais tempo, com uma idade efectiva de início da reforma de 62,6 anos e 62,3 anos, contra 62,2 anos para os alemães, refere ainda o estudo.

Os gregos não estão distantes desta média (61,5 anos) e a reforma das aposentações adoptada na primavera de 2010 na Grécia impôs o aumento da idade dos 60 para os 65 anos, com o objectivo de garantir uma idade média de 63,5 anos até 2015. Apenas franceses e italianos garantem hoje a reforma mais cedo que os alemães, precisa o estudo com data de 30 de Maio.

Em meados de Maio, a chanceler alemã, Angela Merkel, criticou publicamente as férias e os sistemas de reforma dos países do Sul da Europa, que considerou demasiado generosos. "É necessário que em países como a Grécia, Espanha, Portugal não seja garantida a reforma mais cedo que na Alemanha, e que todos façam os mesmos esforços, é importante", disse na ocasião.

"Angela Merkel não refere quais os verdadeiros problemas dos países do Sul da zona euro", conclui o chefe economista do Natixis.

http://economico.sapo.pt/noticias/europeus-do-sul-trabalham-mais-que-os-alemaes_119882.html



http://economico.sapo.pt/noticias/europeus-do-sul-trabalham-mais-que-os-alemaes_119882.html